Conta de luz mais cara puxou inflação ao consumidor em outubro

Conta de luz terá taxa extra mais alta em novembro
8 de novembro de 2017
Lumilight do Brasil patrocina evento na USP
15 de dezembro de 2017

Quatro das oito classes de despesa apresentaram taxas de variação maiores no Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI)

A conta de luz mais cara pressionou a inflação ao consumidor registrada pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) em outubro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI) teve um avanço de 0,33% no último mês, após uma deflação de 0,02% em setembro.

Quatro das oito classes de despesa apresentaram taxas de variação maiores. A contribuição de maior magnitude para o avanço da taxa do IPC partiu do grupo Habitação, que saiu de uma queda de 0,40% em setembro para aumento de 0,70% em outubro, sob impacto da tarifa de eletricidade residencial, que passou de redução de 3,31% para crescimento de 3,37% no período.

Os demais acréscimos ocorreram nos grupos Alimentação (de -0,48% para 0,24%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,27% para 0,42%) e Comunicação (de -0,02% para 0,55%), com destaque para os itens hortaliças e legumes (de -7,31% para 10,29%), medicamentos em geral (de -0,04% para 0,17%) e tarifa de telefone móvel (de -0,17% para 1,37%), respectivamente.

Na direção oposta, os resultados foram menores em Transportes (de 0,50% para 0,08%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,50% para -0,12%), Vestuário (de 0,64% para 0,05%) e Despesas Diversas (de 0,35% para 0,32%). Houve influência dos itens gasolina (de 2,70% para -0,18%), passagem aérea (de 12,25% para -6,88%), roupas (de 0,93% para 0,19%) e alimentos para animais domésticos (de -0,02% para -1,63%).

O núcleo do IPC registrou alta de 0,24% em outubro ante avanço de 0,28% em setembro. Dos 85 itens componentes do IPC, 50 foram excluídos do cálculo do núcleo. O índice de difusão, que mede a proporção de itens com aumentos de preços, foi de 57,40% em outubro, 5,33 pontos porcentuais acima do resultado de 52,07% registrado em setembro.

Leia sobre este assunto:

https://exame.abril.com.br/economia/conta-de-luz-mais-cara-puxou-inflacao-ao-consumidor-em-outubro/14