Hidrelétricas podem passar por novo período crítico de geração, alerta ONS

Distribuidoras registraram 891 acidentes na rede elétrica em 2018
20 de agosto de 2019
Tarifas no Pará terão aumento médio de 0,69%
27 de agosto de 2019

Mudanças climáticas estariam levando a irregularidade de chuvas; estudo do ONS indica que não há risco de racionamento até 2023

O sistema elétrico do Brasil pode estar atravessando o que seria um “novo período crítico” para a produção das hidrelétricas, principal fonte de geração do país, com os reservatórios das usinas mostrando tantas dificuldades para se recuperar quanto nos piores anos já registrados até então, de 1948 a 1955.

A avaliação consta de estudo do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e levanta dúvidas sobre os eventuais efeitos da mudança climática global sobre a indústria de energia do Brasil, que por décadas baseou-se principalmente na geração hídrica.

As hidrelétricas representam mais de 60% da capacidade instalada em energia do Brasil, um percentual que chegou a ser bem maior, de cerca de 80% até o final dos anos 90, a partir de quando o país passou a investir mais em termelétricas e depois em novas fontes renováveis, como usinas eólicas e solares.

“Desde 2012 para cá, tivemos uma redução muito forte nas precipitações na região Nordeste, e de 2013, 2014 para cá, também se deu isso no Sudeste/Centro-Oeste… então essa é uma provocação que estamos lançando”, disse à Reuters o diretor-geral do ONS, Luiz Eduardo Barata.

A conclusão preliminar do órgão do setor de energia leva em conta o fato de que os reservatórios hidrelétricos não conseguiram recuperar seus níveis desde meados de 2012.

“Tudo indica que o sistema interligado nacional (SIN) estaria em um novo período crítico face ao longo horizonte de meses (79) a partir do qual saiu do armazenamento máximo e não houve mais reenchimento pleno”, apontou o ONS no chamado Plano da Operação Energética 2019-2023 (PEN), divulgado nesta semana.

Entre as décadas de 40 e 50, o sistema ficou 89 meses sem atingir essa recuperação.

O diretor-geral do ONS disse que ainda é preciso maior interação com meteorologistas para entender o cenário, destacando também a dificuldade de se tirar conclusões sobre as repercussões futuras do atual momento de crise hidrológica.

“Há uma dúvida nesse ponto também sobre se teríamos um período crítico e depois voltamos para a média ou se isso é fruto de mudanças climáticas… se essa é a nova média de longo prazo (MLT), o novo normal. Pode acontecer”, afirmou Barata.

Ele destacou que, apesar disso, o ONS não enxerga qualquer risco de desabastecimento ou necessidade de racionamento de energia no horizonte de seu estudo, até 2023.

A confirmação de um novo período crítico, no entanto, geraria amplas repercussões no setor elétrico, onde diversas decisões do governo e de empresas baseiam-se em modelos computacionais que levam em conta fatores que incluem o histórico climático.

Esses dados são utilizados, por exemplo, no cálculo da chamada garantia física das hidrelétricas, que é o montante de energia que cada usina pode vender no mercado, e significa na prática uma estimativa de quanto uma usina conseguiria gerar mesmo em um período crítico.

“Existem algumas decisões que são tomadas, como o cálculo da garantia física, que são tomadas levando em conta o período crítico. Se houver um novo, alguns estudos terão que ser refeitos”, apontou Barata.

“De fato, tudo aquilo que fazíamos considerando o período crítico 1948-1955 passaria a usar o novo período. Mas ainda não existe um movimento nesse sentido”, acrescentou ele.

Questionados sobre os fatores que poderiam estar por trás do novo cenário de chuvas e armazenamento nas hidrelétricas, Barata disse que esse é um tema que ainda merecerá estudos.

Por outro lado, ele destacou que o crescimento de fontes como as usinas eólicas e solares reduziu a dependência do Brasil das hidrelétricas nos últimos anos, diminuindo riscos.

“A diversidade de fontes sempre é boa, mas antigamente a questão dos custos não nos permitia. Agora temos sol e vento como fontes muito mais baratas que anos atrás, então vamos ter uma matriz muito mais diversificada. Então você fica mais imune a problemas em qualquer uma delas”, acrescentou Barata.

No último leilão do governo brasileiro para contratar novas usinas, em junho, projetos solares tiveram pela primeira vez na história a menor cotação entre todas fontes da licitação, aproximando-se de recordes registrados por parques eólicos e hidrelétricas no passado.