Governo cria taxa de escassez hídrica; conta de luz deve subir 6,8%

Governo reconhece piora da crise hídrica e promete desconto para quem reduzir consumo de energia
31 de agosto de 2021
Governo estuda novo empréstimo às distribuidoras de energia nos moldes da ‘Conta Covid’
26 de outubro de 2021

Com o agravamento da maior estiagem no País em nove décadas, o governo anunciou ontem a criação de uma taxa extra de energia elétrica, a “bandeira escassez hídrica”. A partir de hoje, o valor da taxa adicional cobrada nas contas de luz passará de R$ 9,49 a cada 100 quilowatts-hora (kwh) para R$ 14,20. O valor vai vigorar até 30 de abril de 2022.

Com a baixa recorde dos reservatórios e o risco de racionamento, o governo anunciou ontem a criação de uma taxa extra para a energia, batizada de “bandeira escassez hídrica”, que vai representar um novo aumento para os consumidores. A partir de hoje, o valor do custo adicional embutido nas contas de luz passará de R$ 9,49 para R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora (kwh) consumidos.

Em tese, caberia apenas à Aneel a atribuição de definir as tarifas de energia elétrica praticadas no País, mas desta vez o órgão procurou aval do ministério. A preocupação com o impacto de mais um aumento no preço da energia sobre a inflação fez com que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, entrassem na discussão.

Depois da divulgação da nova bandeira, economistas do mercado financeiro passaram a projetar uma inflação de cerca de 8% no ano, bem acima da meta de 3,75% (com margem de tolerância até 5,25%) que o BC deveria atingir.

A definição por R$ 14,20 a cada 100 kwh atende a pleito do Ministério da Economia, que defendia um reajuste da bandeira entre R$ 14 e R$ 15.

Fonte: O Estadão